Atendimento (31) 3291-4789 (31) 3291-2717 (31) 3291-4789 (Whatsapp) Segunda à Sexta de 9h às 18h - Sábado de 9h às 13h

Rosh Hashaná

Significado de Rosh Hashaná

Yom Hazicaron

Dia do Ano Novo judaico não é apenas uma ocasião de alegria mas, um dia dedicado à oração. É chamado Yom Hazicaron (Dia da Memória) - quando todas as criaturas são julgadas pelo Criador de acordo com seus méritos.

Devemos lembrar que o Supremo Juiz do Universo é bondoso e misericordioso. Seu propósito não é punir. D'us apenas quer que sigamos as Leis e regulamentos que Ele nos impôs para nosso próprio bem.

Durante o mês de Elul, com a aproximação de Rosh Hashaná, tomamos a resoluta determinação de corrigir qualquer mal feito ou hábito descuidado do passado. Um sentimento toma conta do coração do verdadeiro arrependido, como se removesse um fardo pesado do passado. É o sentimento de poder recomeçar a vida como uma criança recém-nascida, sem máculas nos seus registros. São estes os sentimentos que o judeu traz à sinagoga na primeira noite de Rosh Hashaná. Ele se encontra próximo a D'us, e as orações vem da sua sincera vontade de retornar ao Criador.
 

A Coroação

Era tarde no sexto dia desde que D'us começou a Criação do Mundo. Tudo agora estava pronto, ou quase tudo. O sol brilhava radiante no céu azul, e seus raios tremeluziam alegremente nas águas límpidas dos rios, regatos e lagos abaixo. As campinas estavam verdes com a grama nova. Os pássaros pipilavam contentes no ar. Os bosques estavam repletos de esquilos e coelhos, e todo tipo de animais grandes e pequenos.

Mas todos os bichos eram mudos, e nenhum deles tinha o dom de saber como tinham sido criados, e quem os criara. E assim D'us decidiu criar a derradeira, e mais maravilhosa criatura, uma criatura que tivesse a capacidade de pensar, falar e fazer coisas lindas. Esta criatura era o Homem.

Quando Adam abriu os olhos e viu o belo mundo à sua volta, soube imediatamente que D'us criara o mundo e ele, também. As primeiras palavras de Adam foram: "O Senhor é Rei para todo o sempre!" E o eco de sua voz correu mundo afora.

"Agora o mundo todo saberá que Eu sou Rei", disse D'us, e estava muito contente.

Este foi o primeiro Rosh Hashaná! O primeiro Ano Novo. Era o aniversário do Homem, e o Dia da Coroação do Rei dos Reis!

"Vejamos, o que os reis fazem no dia de sua Coroação?" perguntou D'us, e Ele respondeu: "Transformam este dia numa festa. Os súditos leais se reúnem para expressar seu amor e lealdade ao rei. Soam as trombetas e proclamam: 'Longa vida ao rei!' O monarca fica repleto de amor pelos súditos, e concede-lhes muitos favores e honrarias. Esquece-se até dos homens maus que agiram contra seus desejos, se demonstram arrependimento. Sim, é isto que os reis fazem no Dia da Coroação. É o que Eu farei!"

E assim D'us fez de Rosh Hashaná uma festa sagrada. Nós nos reunimos nas sinagogas, tocamos o shofar e demonstramos nosso amor pelo nosso Rei e Pai nos céus. E D'us fica feliz e é bom para todos nós, concedendo-nos um ano bom e doce.
 

Os Primeiros a se Arrependerem

De acordo com a tradição, foi em Rosh Hashaná que Cayin (Caim) assassinou seu irmão Hevel (Abel).

Abel jazia imóvel na grama. Cayin percebeu que havia matado seu irmão. "O que farei com o corpo?" pensou ele, completamente perdido, pois jamais havia visto um cadáver antes, e não sabia o que fazer com ele.

Sons de pios altos e ferozes fizeram-no erguer os olhos. Viu dois corvos lutando sofregamente. Por fim, um deles caiu ao solo e lá ficou, sem vida como seu irmão Hevel. O pássaro vitorioso começou a cavar um buraco no chão, com o bico e as garras. Rolou o corpo do pássaro morto até lá, cobrindo-o com terra e afastou-se voando.

Cayin agora sabia o que fazer. Cavou um túmulo no solo e lá colocou o corpo do irmão, cobrindo-o com terra. "Devo fugir daqui," pensou ele. Ouviu então uma voz celestial: "Acha que pode fugir de Mim? Onde está seu irmão Hevel?"

Cayin amedrontou-se. "Não sei," replicou ele. "Por acaso sou o guardião de meu irmão?"

"Seu tolo filho do homem", disse D'us novamente. "Não pode esconder coisa alguma de Mim!"

O coração de Cayin estava repleto de remorso. Sentia-se profundamente triste pelo que fizera. "Meu pecado é muito grave até mesmo para o perdão Divino?", gritou angustiado.

D'us olhou para dentro do coração de Cayin, e viu que ele estava verdadeiramente arrependido. D'us disse então: "Como você se arrependeu honestamente, com todo seu coração, aliviarei o seu castigo. Pouparei sua vida, mas será um andarilho errante e sem descanso até o fim de seus dias; então você, também, morrerá pelas mãos de um homem."

Cayin iniciou sua caminhada. Seu pai Adam o viu. "Por que está tão triste, meu filho?", perguntou-lhe. Cayin contou o que havia acontecido.

"O poder do arrependimento é tão grande?", exclamou Adam. "É uma pena que eu não o soubesse antes."

Adam então rezou a D'us para que o perdoasse pelo seu pecado de comer do fruto da árvore proibida. Orou com todo seu coração, e D'us aceitou seu arrependimento sincero e o perdoou.

Cayin e Adam foram os primeiros a se arrepender, e foram perdoados - em Rosh Hashaná.
 

Julgamento Divino e humano

A Torá institui que Rosh Hashaná, o início do ano, seja celebrado no aniversário da Criação, mas não no primeiro e sim, no sexto dia, o dia em que foi criado o Homem. O significado do dia e do evento não reside no surgimento de uma nova criatura, superior às outras do reino animal, assim como este é superior ao reino vegetal que, por sua vez, está acima do mineral. O significado está no fato de que a nova criatura - o Homem - é essencialmente diferente das outras. Pois foi o homem que reconheceu o Criador através da Criação e elevou-a a este reconhecimento, a realização e suprema finalidade de seu desígnio Divino.

Uma das características que distinguem o homem de todas as outras criaturas é o dom do livre arbítrio que D'us lhe concedeu. O homem pode usar esta dádiva Divina em duas direções opostas. Pode escolher o caminho da destruição de si mesmo, D'us não o permita, e de tudo que o cerca; ou enveredar pela estrada certa da vida, que o elevará, a ele e a toda a Criação, à mais alta perfeição.

Para ajudar-nos a reconhecer e escolher o caminho certo, recebemos a Torá, que é Divina e eterna; daí serem os seus ensinamentos válidos para todos os tempos e todos os lugares.

O homem não pode fazer a sua escolha apenas baseado em seu intelecto, pois este é limitado. Serve apenas para descobrir e despertar a intuição e a fé nas coisas que estão além do reino do intelecto. Esta fé e intuição são o legado de cada judeu que ilumina todo o seu ser e o orienta na vida cotidiana para uma existência inspirada na Torá e nas mitsvot.

Em Rosh Hashaná, o homem enfrenta não apenas o julgamento Divino como também o seu próprio. O veredito com relação ao futuro deve ser o de assumir o cumprimento de seus deveres, de realizar - nele mesmo e no seu ambiente - um chamado para a submissão absoluta diante de D'us proferido pelo primeiro homem Adam, Adão, no dia de sua Criação, no primeiro Rosh Hashaná. Isto só pode ser conseguido mediante uma vida inspirada e orientada pela Torá.

Que ninguém pense: quem sou eu para possuir tais poderes de construção ou destruição? Pois vimos, para a nossa aflição, o que pode causar uma quantidade ínfima de matéria pela liberação de energia atômica. Se tal poder destruidor está oculto num mero átomo, para a negação do desígnio da Criação, quão maior é o poder criador confiado a cada indivíduo para trabalhar em harmonia com a finalidade Divina; pois recebemos da Divina Providência os meios e oportunidades especiais de alcançar a meta para a qual fomos criados: a realização de um mundo em que "cada criatura reconhecerá que Tu a criaste e cada alma dotada de alento exclamará: 'D'us, o D'us de Israel, é Rei e o Seu reino é supremo.' "

Para que sejam revelados e para que possamos aplicar estes poderes, é necessário buscar e liberar as forças potenciais. E temos a promessa: "Descobrirás porque buscarás com todo o teu coração e alma."

Isto tudo se aplica de forma especial e completa aos que ocupam posições de liderança espiritual e possuem influência, desde o rabino de uma comunidade até um pai que orienta a vida espiritual de sua família. Muitas vezes vemos pessoas paralisadas pela dúvida e pelo medo, receosos de empregar o que lhes parece uma palavra forte ou exigência excessiva e, assim, alienar em vez de atrair.

A eles dirigimos esta mensagem:

"Busque profundamente em seu interior e descobrirá os tesouros mais íntimos dos que queres orientar e inspirar; não os avalies externamente, mas segundos os recursos e capacidade de suas almas, a verdadeira centelha Divina. Pois, pela atitude certa e pelo infatigável esforço poderá descobrir e ativar em todos, os recursos espirituais que animarão sua vida diária. Tenha confiança em seus irmãos judeus e dê-lhes o que, como judeus, verdadeiramente esperam de você: a Torá inteira com todos os seus preceitos, assim como eles são, assim como os recebemos no Sinai; pois a Torá é eterna em todos os tempos e lugares."

Somente assim poderemos avaliar verdadeiramente o nosso "eu" e o dos que buscam orientação e liderança; uma avaliação sincera que fará do próximo ano um ano cheio de conteúdo e realização proporcionais aos nossos melhores recursos e, portanto, também repleto de bênçãos Divinas, materiais e espirituais.

 

 

Referências:
http://pt.chabad.org/holidays/default_cdo/jewish/holidays.htm?gclid=CImegtHT6tECFU0FkQodX3cCDw